terça-feira, 7 de junho de 2011

Continente Europeu

Europa, um continente em transformação.
* Na ótica do brasileiro comum, a Europa é um continente profundamente civilizado em que imperam o direito, a ordem, a democracia em sentido ideal. Suíça, Áustria e Alemanha habitam nosso imaginário. É o continente dos sonhos. Mas a Europa possui bósnias e albânias e, como aqui, a miséria ombreia com a riqueza; a paz com a guerra; a democracia com o totalitarismo. O Velho Continente viveu seu apogeu e agora, como que a se preparar para o terceiro milênio, sofre as turbulências naturais da acomodação de placas sociais, políticas, religiosas, étnicas… A Europa é o berço da civilização ocidental. É impossível falar da sociedade humana sem fazer referência a ela. Palco de grandes acontecimentos, o continente europeu passou por grandes transformações. O atual mapa político do continente começou a se formar em 1990, com a unificação da Alemanha, e teve sua última alteração em 2008 com a independência de Kosovo.
* A Europa é um continente com uma área de 10,3 milhões de Km2, que representa somente 19% da Eurásia. A Europa possui 48 países autônomos, na maioria pequenos territórios e os minipaíses, além da Federação Russa que responde por 40% da área total.
Grupo de importantes países no cenário mundial, alguns deles potências econômicas (Alemanha, França, Itália, Reino Unido e Rússia que fazem parte do G-8).
LITORAL EUROPEU
• A costa européia é extensa e sofre influência das águas do Oceano Glacial Ártico e Atlântico, além de mares menores como o Cáspio e o Negro.
• A Europa é uma península e o seu litoral é composto por várias delas e inúmeras ilhas, dentre elas as principais são: ao norte, A península da Jutlântia, península Escandinava; a oeste, ilhas Britânicas, ilha da Irlanda e ao sul a Península Ibérica, Itálica e Balcânica, além das ilhas de Creta, Sílicia, Sardenha, Córsega e Baleares.
• Outra característica marcante do litoral europeu é a quantidade de estreitos que se apresentam nessa porção do continente, os principais são: Gibraltar, Bósforos e Dardanelos.
* Essas mudanças vieram para confirmar que o dinamismo no continente europeu sempre ocorreu. As novas divisões regionais e organização interna na Europa comprovam que as transformações estão bem compreendidas atualmente, sendo que hoje vigora uma nova alteração no espaço europeu: a formação da União Européia, que está em constante mudança e a cada ano se desenvolve e caracteriza uma visão totalmente inédita sobre a organização do continente e suas relações com as outras nações do mundo.

I – Localização Geográfica:

* Suas terras são atravessadas pelo Circulo Polar Ártico e pelo Meridiano de Greenwich. Em decorrência disso, podemos afirmar que a Europa:
- está localizada totalmente no hemisfério Norte;
- está localizada na Zona Temperada Norte e na Glacial Ártica;
- possui terras no hemisfério leste e oeste.

II – Aspectos Físicos
* Relevo:
1. norte da Europa  (Escandinávia, Ilhas Britânicas, trechos da Alemanha, França ...etc.) – terrenos antigos e desgastados, com predomínio de planaltos: Escandinavo, Cadeia Penina, Maciço Xistoso Renano.
2. Porção Meridional (proximidade do mar mediterrâneo) – terrenos de formação mais recente e bem menos desgastados que os maciços antigos. É onde aparecem diversas cadeias montanhosas: Pirineus, Alpes, Cáucaso, e as maiores altitudes do continente: Monte Brando, 4.810m; Elbrus, 5.633m; Olimpo, 2.917m.
3. Bacias Sedimentares: formação predominante no continente (2/3); são baixos planaltos e extensas planícies que se ampliam do oeste em direção ao leste – Russa, Ucrânia, Pó, etc.
4. Depressões absolutas: ocorrem junto ao Mar Cáspio (Europa e Ásia e nos Reino dos Países Baixos, ao norte do baixo curso do rio Reno).
* Hidrografia: apresenta rica rede hidrográfica. Seus rios são intensamente utilizados para a navegação e transporte de mercadorias, produção de energia elétrica e irrigação de áreas agrícolas. Uma rede de canais facilita a navegação interna, principalmente no centro e no oeste europeu. No extremo norte europeu no Federação Russa, o congelamento dos rios no inverno constitui um obstáculo a utilização econômica da rede hidrográfica.
·                                                         Aparecem inúmeros lagos de pequenas dimensões, a maioria de origem glacial, localizados nos Alpes (Genebra, Zurique, Constança, Garda, ...)e nas regiões ao redor do mar Báltico. (Ládoga – 18200km²)
·                                                         Os mares costeiros distinguem-se do oceano que os circunda pela diferença de salinidade, temperatura e psicosidade. Entre eles destaca-se os mares do Norte, da Noruega, Báltico e o Mediterrâneo.
·                                                         Merecem destaque os Rios: Tamisa é o principal rio da Inglaterra. Extremamente poluído no passado, hoje é considerado modelo de reversão ecológica, pois foi recuperado, depois de 40 nos de limpeza, realizada por meio de construção de filtros e estações de tratamento de esgotos; Danúbio que nasce no planalto da Floresta Negra – Alemanha – e atravessa diversos países: Alemanha, Áustria, República Tcheca, República Eslovaca, Hungria, Iugoslávia, Romênia, Bulgária e Federação Russa.
* Clima
·                                                         Temperado Oceânico: inverno ameno, verão mais fresco. Temperatura = 10°C a 20°C. as quatro estações do ano são bem definidas.
·                                                         Temperado Continental: Maior amplitude térmica entre o inverno e verão. Menor quantidade de chuvas. Inverno rigoroso com nevascas e temperaturas inferiores a 0°C, as quais congelam os rios, lagos, riachos e solos. Com o derretimento da neve e do gelo na primavera, ocorrem inundações. O verão é quente e seco, mas pode apresentar chuvas tempestuosas.
·                                                         Mediterrâneo: Verão quente e seco. Poucas chuvas (outono e primavera). São torrenciais e repentinas, causando inundações e fortes corredeiras.
·                                                         Polar: Verão com temperatura inferior a 10°C e pouca pluviosidade. O inverno é muito rigoroso, com temperaturas próximas a 20°C negativos.
·                                                         Frio de Montanha: Quanto mais alto, mais frio.
* Vegetação:
·                                                         Floresta Temperada: Folhas decíduas, composta de carvalhos, castanheira e faias. Formação de pântanos e turfeiras (solos úmidos – pasta negra, considerada um tipo de carvão em fase inicial de formacao).
·                                                         Floresta Temperada/ Coníferas/ Estepes e pradarias: No solo Tchernoziom ocorre às pradarias e estepes (gramineas). Mais ao norte, a taiga – raízes profundas e folha em forma de agulha (coníferas, pinheiros e bétulas). No solo Podzol – inadequado para a agricultura, nas áreas menos úmidas.
·                                                         Mediterrânea: Vegetação própria que suporta a falta de água no verão. Maquis (arbustos/ moitas densos) e garrigue (árvores lenhosas – alecrim, carvalho e lavanda – e esparsas).
·                                                         Landa: solos menos férteis. É composta por juncos, samambaias e árvores raquíticas. (área desmatada e abandonada da floresta temperada).
·                                                         Tundra: Composta de musgos e liquens e outras herbáceas, que aparecem nos locais onde ocorre o degelo. O solo apresenta camada superficial de gelo, chamada de permafrost.
·                                                         Vegetação Compartimentada: Pela altitude, a vegetação vai se modificando até chegar às elevadas montanhas com gelo eterno. Entre 2000 e 1600m: rasteira composta por gramíneas; - 1600m: sucessão de faias, abetos e pinus; + 2000m: rochas nuas, cobertas pelas neves eternas.
Obs.: A relação entre clima e a vegetação é de fundamental importância para a existência de diversidade de paisagens. As características de temperatura, periodicidade das chuvas, latitude, altitude, velocidade e direção dos ventos, de um local, determinam o tipo de vegetação que ali se desenvolverá.

 

SOCIEDADE EUROPÉIA


 A distribuição da população européia é mais equilibrada em relação às demais regiões do globo, porém há repulsivos à fixação humana, determinam um subpovoamento em certas porções geográficas. É o caso da parte setentrional do território e das grandes elevações do relevo, onde o clima frio age como elemento anecúmeno.
·                                                         Crescimento Vvegetativo NULO OU NEGATIVO: NÃO HÁ AUMENTO POPULACIONAL; POPULACAO REDUZIDA.
·                                                         Problemas:
-          Envelhecimento da população, verificado pelo maior numero de idosos em relação ao total de habitantes, aumenta consideravelmente os gastos com aposentadoria e assistência médico-hospitalar.
-          A PEA é reduzida, em especial nas atividades que exigem menos qualificação; a falta de mão-de-obra gera a necessidade de importação de trabalhadores.
-          A redução da população traz conseqüência em relação ao mercado consumidor como mudanças nos hábitos de consumo; investimento em produtos e serviços para adultos.
·                                                         Causas das baixas Taxa de Mortalidade e de Elevada Expectativa de Vida:
-          Boas condições de alimentação.
-                                                      Acesso à assistência medica de qualidade.
-                                                         Saneamento básico.
-                                                         Avanço na área de tratamento e prevenção de doenças.

·                                                         Imigração / xenofobia/ racismo
- As diferenças no padrão de desenvolvimento, as diferenças regionais e sociais, os conflitos que se verificam no continente são causadores de movimentos migratórios na Europa. Podemos identificar vários padrões de deslocamento na Europa, lembrando inicialmente que, se no passado a Europa foi um continente de emigração (saída), hoje é um continente de imigração. Os europeus colonizaram e ocuparam grandes extensões da América, África, Ásia e Oceania. Contudo, a elevação do padrão de vida nesse continente passou a atrair migrantes em direção aos países mais prósperos do oeste europeu.
Movimentos migratórios na Europa:

* dentro de um mesmo país europeu – é o caso clássico da Itália. O norte da Itália (Vale do Pó) é uma região rica e industrializada, de elevado padrão de vida, enquanto o sul desse país (Mezzogiorno) apresenta padrão de vida inferior, base agrária e menor industrialização. Assim, os italianos do sul se deslocam para o norte do país. Podemos lembrar também dos deslocamentos de alemães orientais para a porção ocidental do país quando ocorreu a reunificação das Alemanhas em 1990.

* de um país europeu para outro – evidentemente dos países mais pobres em direção aos mais ricos. Como exemplo podemos citar o deslocamento de turcos para a Alemanha, albaneses para a Itália, bem como habitantes do leste europeu que têm se deslocado para a Europa Ocidental após as reformas e abertura política na Europa Oriental.

* de outros continentes para a Europamigrantes que se deslocam da América Latina, África e Ásia em busca de empregos e melhores condições de vida.
A elevação da taxa de desemprego na Europa, associada a essa entrada de estrangeiros tem provocado reações em alguns países europeus que procuram criar e intensificar as barreiras para evitar a entrada desses imigrantes, além de reforçarem o controle em suas fronteiras para barrar a entrada dos ilegais. Partidos políticos de extrema direita tem conseguido maior representatividade junto ao eleitorado por defenderem plataformas contrárias a abertura das fronteiras para os imigrantes. Grupos minoritários radicais, de ideologias totalitárias e racistas tem discriminado, perseguido e até assassinando estrangeiros. É a chamada xenofobia.
Paradoxalmente, vários países europeus apresentam um crescimento populacional muito reduzido e um contínuo processo de envelhecimento da população e, para continuarem mantendo suas taxas de crescimento econômico deverão necessitar de milhões de imigrantes para suprir as necessidades do mercado de trabalho. Além disso, é estranha e, até equivocada, a premissa de que o imigrante rouba empregos dos nativos. Esse estrangeiro constitui mão-de-obra sem qualificação que ocupa postos de trabalho rejeitados pela população local.
·                                                         Religião: Maioria catolicismo (romano e o ortodoxo); protestantismo (luteranismo, calvinismo e anglicanismo);
·                                                         Composições étnica: três grandes ramos étnicos: atlanto-mediterrâneos, germanos e eslavos.

OBS.: A população da Europa Ocidental é uma sociedade de consumo, porque tem a disposição e consome os mais diversos bens e serviços existentes. Isso é decorrente do alto nível de industrialização, do alto volume de dinheiro na economia, bem como da distribuição de renda, que permite a cada cidadão uma parcela justa desse volume.

II – Regionalização do Espaço Europeu


A- Europa Ocidental: é composta por países de economias com elevado grau de industrialização, agricultura mecanizada de alta produtividade e com um dinâmico setor terciário, o qual emprega a maior parte da PEA.


B- Europa Oriental: é composta por países que pertenciam a ex-URSS, ocupavam a periferia do sistema econômico soviético. Estes países atualmente passam por um processo de transição de uma economia planificada para a economia de mercado, além da adaptação de um regime político unipartidário para para um pluripartidário. Os principais objetivos desses países são o desenvolvimento industrial avançado, a construção de um mercado competitivo, a melhoria da população e a sua aceitação como membros da União Européia (2004).

III – Europa Ocidental


Diferenças Regionais: do ponto de vista da Industrialização, percebe-se:

1. Países altamente industrializados: Alemanha, França, Reino Unido, Itália, Suécia, Suíça, Áustria, Bélgica, Reino dos Países Baixos e Luxemburgo.

- Características:
·         Formado por países que participaram da Revolução Industrial;
·         Possui maior nível de desenvolvimento econômico;
·         Elevada urbanização;
·         Agropecuária moderna.

2. Países de Menor Industrialização: Islândia, Dinamarca, Noruega, Finlândia e Irlanda.

- Características:
·                                 Economia menos desenvolvida que os países do grupo um;
·                                 Atividade primária é muito importante.

3. Países de Industrialização Recente: Espanha, Portugal e Grécia.

- Características:
·                                 Turismo;
·                                 Atividade primária tem grande importância na formação do PIB.

4. Mini-estados Europeus: Mônaco, San Marino, Vaticano, Liechtenstein, Andorra e Malta.

- Características:
·         São conhecidos como países selos;
·                                 Apesar de representarem pontos reduzidos no mapa, alguns têm influencia mundial: vaticano (sede da Igreja Católica Romana), Liechtenstein (Instruções bancárias), Andorra (ZPE – “Hong Kong” dos Pirineus – comercio é livre de impostos, atrai milhões de turistas todo ano).

IV – Europa Oriental


·                                 Principais mudanças: adoção de elementos do capitalismo, como: economia de mercado e a privatização de empresas estatais.
·                                 Obstáculos/Problemas a essas mudanças: divida externa, inflação crescente, desemprego, privatização conturbada de empresas públicas, falta de gêneros alimentícios, baixos salários e o surgimento de problemas sociais.
OBS.: A transição política econômica tem se caracterizado por apresentar um elevado custo social (fechamento de fabricas, lojas e empresas; aumento do desemprego, da pobreza, da inflação e a desvalorização salarial) = aumento da migração, que gerou varias manifestações de violência, confrontos étnicos e o ressurgimento de organizações radicais.

·                                 Países de economia em transição:

1.                             Hungria, Polônia, Croácia, Eslovênia, República Tcheca: apresentam elevado nível de industrialização e melhores condições de vida.

2.                             Albânia, Bósnia-Herzergovina: predominantemente agroindustrial ou economia arrasada pela guerra, respectivamente.

3.                             Bulgária, Eslováquia, Iugoslávia, Macedônia, Letônia, Lituânia e Estônia: países de menor industrialização e condições de vida média.


UNIÃO EUROPÉIA

-                                 A União Européia é uma organização internacional constituída atualmente por 27 estados membros.
-                                 Foi estabelecida com este nome pelo Tratado da União Européia (normalmente conhecido com Tratado de Maastricht) em 1992, mas muitos aspectos desta união já existiam desde a década de 50. A União tem sedes em Bruxelas, Luxemburgo e Estrasburgo.
-                                 A União Européia tem muitas facetas, sendo as mais importantes o mercado único europeu (uma união aduaneira), uma moeda única (o euro, adotado por 15 dos 27 estados membros) e política agrícola, de pescas, comercial e de transportes comuns. A União Européia desenvolve também várias iniciativas para a coordenação das atividades judiciais e de defesa dos Estados Membros.
-                                 O Tratado de Paris, assinado em 1951, estabelecendo a Comunidade Européia do Carvão e do Aço, e os Tratados de Roma, assinados em 1957, instituído a Comunidade Econômica Européia e a Comunidade Européia da Energia Atômica ou Euratom, foram assinados por seis membros fundadores: Alemanha, Bélgica, França, Itália, Luxemburgo e Países Baixos. Depois disto, a EU levou a cabo seis alargamentos sucessivos: em 1973, Dinamarca, Irlanda e Reino Unido; e 1981, Grécia, em 1986, Portugal e Espanha; em 1995, Áustria, Finlândia e Suécia; a 1 de Maio de 2004, República Tcheca, Chipre, Eslováquia, Eslovênia, Estônia, Hungria, Letônia, Lituânia, Malta e Polônia; a 1 de janeiro de 2007, Bulgária e Romênia.
-                                 Em 1972 e 1994, a Noruega assinou também tratados de adesão à União Européia. No entanto, nas duas ocasiões, através de referendos, a população norueguesa rejeitou a adesão do país. À população da Suíça (helvética) foi também proposta a adesão do país à União, mas foi rejeitada através de referendo popular em 2001.  
-                                 A Croácia, Turquia e Macedônia são candidatos à adesão à EU. As negociações com estes países iniciaram-se oficialmente em Outubro de 2005 mas ainda não há uma data de adesão definida – o processo pode estender-se por vários anos, sobretudo no que concerne à Turquia, contra a qual há forte oposição da França e da Áustria.
-                                 A União Européia encontra-se aberta a todos os países europeus que a ela pretendem aderir e que respeitem os compromissos assumidos nos Tratados da fundação e subscrevem os mesmos objetivos fundamentais. Existem duas condições que determinam a aceitação de uma candidatura à adesão: a localização no continente europeu e a prática de todos os procedimentos democráticos que caracterizam o Estado de direito.
-                                 A economia da União Européia é baseada num sistema capitalista liberal sendo ligeiramente maior do que a economia dos Estados Unidos da América.
-                                 O principal objetivo econômico da União Européia é promover uma economia livre, concorrencial e sem barreiras comerciais tanto ao nível das mercadorias, dos capitais, como dos seus cidadãos e nomeadamente dos seus trabalhadores.
-                                 A União Européia tem problemas, que podem ser apresentados em três tópicos principais: o fracasso da Constituição Européia, reprovada em referendos populares na França e no Reino dos Países Baixos; o desencanto popular nos países que fazem parte do grupo (44% dos cidadãos europeus acham que a vida piorou desde a entrada de seus respectivos países na UE, aponta pesquisa do jornal britânico “Financial Times”); e o fraco desempenho econômico dos países do grupo nos últimos anos.
-                                 Há ainda outros problemas importantes a resolver, como a entrada da Turquia no bloco, a crise que se estendeu com a Federação Russa após os Estados Unidos negociarem a instalação de bases militares na Polônia e na República Tcheca, a falta de empregos e a maciça onda de imigrantes africanos chegando ao velho continente.

Objetivos da União Européia

* Promover a unidade política e econômica da Europa;
* Melhorar as condições de vida e de trabalho dos cidadãos europeus;
* Melhorar as condições de livre comércio entre os países membros;
* Reduzir as desigualdades sociais e econômicas entre as regiões;
* Fomentar o desenvolvimento econômico dos países em fase de crescimento;
* Proporcionar um ambiente de paz, harmonia e equilíbrio na Europa.



Fim da URSS

01 – ex- URSS: Mikhail Gorbatchev assumiu o governo da UNIÃO SOVIÉTICA em 1985, em meio a uma profunda crise econômica, social e política. Era grande o descontentamento popular em relação a vários problemas como:
·                                Falta de liberdade de expressão;
·                                Inexistência de partidos políticos de diferentes ideologias;
·                                Privilégios para os burocratas;
·                                Escassez de gêneros alimentícios e eletrodomésticos.

02 – Modificações introduzidas na Organização Política da UNIÃO SOVIÉTICA, pela Glasnost (abertura política – permitiu a liberdade de expressão e surgimento de movimentos nacionalistas):
·                                Substituição de dirigentes conservadores do PCUS;
·                                Libertação de presos políticos;
·                                Fechamento do PCUS após o golpe de estado em 1991;
·                                Eleições diretas para presidente das repúblicas.

03 – Pontos básicos da Perestroika (reestruturação econômica – introduzir na economia, a propriedade, a concorrência e o lucro – mecanismos típicos da economia de mercado):
·                                Acabar com o sistema de planejamento econômico centralizado;
·                                Introduzir a economia de mercado
·                                Substituição do monopólio do Estado para propriedade privada;
·                                Reduzir os gastos de defesa militares; (Luta para o fim da corrida armamentista);
·                                Diminuir os empréstimos às empresas deficitárias;
·                                Corte de ajuda econômica aos países socialistas.

04 – A US, um dos países mais influentes no século XX, desapareceu em dezembro de 1991. Logo após, a dissolução da UNIÃO SOVIÉTICA, foi criada a CEI, com o objetivo de administrar o fim da URSS. Era essencial para a Federação Russa manter as relações com as outras repúblicas independentes. - Parte do arsenal nuclear e da frota da extinta União Soviética ficou em território das nações independentes, como as energéticas com fornecimento por oleodutos e gasodutos.

05 – A CEI é composta por 12 países que faziam parte da URSS, com exceção da Letônia e Estônia. A sede da CEI fica em Minsk-Belarus, que integra as 12 nações preservando a soberania de cada: Armênia, Azerbaijão, Belarus, Cazaquistão, Federação Russa, Geórgia, Moldava, Quirguistão, Tadjiquistão, Turcomenistão, Ucrânia e Uzbequistão. (“Tão” – sufixo que significa terra, no idioma urdu, afirmação de soberania na região).

06 – Das 12 repúblicas que formaram a CEI, a Federação Russa, foi a mais beneficiada, porque em seu território estão localizados importantes parques industriais, áreas de recursos minerais e energéticos, e porque herdou a Perestroika, cujas reformas já estão integradas a realidade russa.
07 – Problemas que comprovam a fragilidade da CEI:
·                                Supremacia da Federação Russa;
·                                Problemas econômicos - A CEI prevê a criação de uma moeda comum – o rublo, e a centralização das forças armadas. Entretanto a unidade não tem sido conseguida na prática, principalmente por conflitos separatistas e disputas pelo controle do poderoso arsenal nuclear da antiga UNIÃO SOVIÉTICA.
·                                Os recursos energéticos russos, espalhados pelos países agora independentes, tornam-se fontes de conflito que chega a atingir interesses internacionais.
·                                Disputas étnicas - as rivalidades étnicas constituem o grande foco da instabilidade política e social, sobretudo na Rússia, que conta com dezenas de grupos étnicos em seu território.

OBSERVAÇÃO:

- O grande líder reformista ou democrata da URSS, em 1991, era o presidente da Federação Russa, Boris Yeltsin.
- Consequências da transição de uma economia planificada para uma economia
capitalista ocorrida na Rússia: Mesmo seguindo um modelo de modernização de países subdesenvolvidos, priorizando o investimento em infra-estrutura com redução de verbas ao desenvolvimento social da população, a Rússia passa por problemas de transição de uma economia planificada (socialismo) para uma economia capitalista, trazendo como conseqüência: Privatização das antigas empresas estatais: Introdução da concorrência e da competição capitalista: Busca do lucro como meta política e econômica: Liberação dos preços e Abertura ao capital estrangeiro.

Aspectos Físicos da CEI

·        22.400.000 Km².

·        Está situado quase que na sua totalidade na região temperada. Apenas a porção norte localiza-se na zona glacial ártica: longos e rigorosos invernos na maior parte do país (Sibéria = -69°C). Temperaturas tão baixas congelam os solos e os rios, afetando a prática da agricultura, produção de energia elétrica e os transportes.

·        Grande parte do território é formado pela taiga siberiana e muitos de seu trechos são explorados pela industria madeireira. Ao norte, aparece a tundra, vegetação típica das áreas polares. O solo fica congelado a maior parte do ano;

·        Uma extensa faixa marítima, com mais de 10.000 Km, é coberta pelo gelo, dificultando a navegação durante, pelo menos, nove meses do ano. No curto período de verão, inúmeros rios despejam suas águas no Mar de Kara, como o lenissei, e no Mar de Laptev, como o Lena, entre outros.

01 – Questão das Nacionalidades

A US foi à herdeira, do prolongamento do Império Russo, fundado séculos atrás pelo Czar Ivan, o terrível. No processo de expansão territorial diversos povos de cultura, escrita, idioma e religião diferentes foram incorporados e subordinados ao governo centralizado em Moscou (russos, eslavos, finlandeses, mulçumanos, alemães, gregos, poloneses, moldavos, etc). Antes de ser extinta, a URSS abrigava 126 nacionalidades. A etnia predominante na União Soviética era a russa, 83% da população, e participa de todas as outras repúblicas, o que foi parte da campanha de Stalin para “russificar” a URSS e assegurar sua dominação e a unidade territorial da união. A composição étnica russa variada pode ocasionar a quebra da unidade territorial. Alguns grupos reivindicam mais autonomia junto ao governo em Moscou e esse processo se não for bem administrado poderá gerar movimentos separatistas, o que comprometeria a unidade territorial.

OBS.: Lembrar do Brasil que apesar da extensão territorial e da imigração na época da colonização existe integração cultural devido a miscigenação que ocorreu no país.

02 - Constituição Soviética.

A constituição soviética assegurava a igualdade entre as diversas etnias, mas na pratica acontecia algumas restrições:

* Boa parte das manifestações culturais de varias nacionalidades eram reprimidas;

* Quem sabia o russo tinha maiores possibilidades de atuação na sociedade, embora fosse possível a alfabetização na língua da república de origem.

OBS.: Lembrar dos exemplos brasileiros que sofrem restrições que ferem a constituição: negros, pobres, desempregados, idosos, presidiários, prostitutas, soropositivos, deficientes, etc.

Conclusão:

* Apesar da supremacia da Federação Russa, em relação a CEI, a situação econômica não pode ser considerada estável. O desemprego é elevado, existe um mercado clandestino (máfias) e as privatizações encontram-se em um ritmo muito lento. Além disso, a agropecuária decaiu, e os investimentos estrangeiros têm sido modestos em razão do quadro de instabilidade política e econômica.

* As três nações bálticas (Estônia, Letônia e Lituânia) nunca integraram o bloco, pois esses países pretendiam se aproximar da União Europeia (UE) e se distanciarem das repúblicas da antiga União Soviética. Além deles, a Geórgia desligou-se do grupo em 2009. Portanto, atualmente a CEI é integrada por 11 nações.

* com o fim da URSS e consequente autonomia das 15 repúblicas, houve a necessidade da formação de um bloco entre os países, visto que durante décadas eles compartilharam uma política comum, um governo central e forças armadas unificadas. Portanto, foi nesse cenário que a Comunidade dos Estados Independentes (CEI) foi criada.